Embaixada do Brasil no Equador confirma sequestro de brasileiro

PUBLICADO EM

- Publicidade -

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O encarregado de negócios da Embaixada do Brasil no Equador, Afonso Neri, confirmou nesta quarta-feira (10) que um brasileiro foi sequestrado em Guayaquil, no sudoeste do território, em meio à onda de violência que assola o país latino-americano.

- Publicidade -

Segundo relato do diplomata, o cidadão em questão, Thiago Allan Freitas, tinha ido a uma concessionária de carros na terça (9) quando foi levado por bandidos. Logo em seguida, os filhos do brasileiro receberam uma ligação de vídeo do telefone do próprio pai em que ele aparecia com os olhos vendados e os bandidos pediam uma recompensa para liberá-lo.

Ainda de acordo com Neri, inicialmente, os ladrões pediram US$ 8.000 (cerca de R$ 40 mil). Depois, reduziram para US$ 4 mil (R$ 20 mil). A família enviou apenas US$ 1.200 (R$ 5.900), o que não teria satisfeito os criminosos, que o mantiveram preso.

O encarregado de negócios afirma que, ao que tudo indica, os sequestradores aproveitaram a onda de terror no Equador para raptar o brasileiro, mas não pertencem a facções de narcotraficantes que têm espalhado a violência no país.

Neri diz que a polícia equatoriana está empenhada em resgatar o brasileiro, e que ele mantém contato com o Ministério das Relações Exteriores do Brasil, que monitora a situação.

Segundo informações disponíveis nas redes sociais, Freitas trabalha em uma churrascaria brasileira em Guayaquil. A maior cidade do Equador é também centro das disputas entre traficantes dentro e fora das prisões, e viu a violência crescer rapidamente nos últimos anos.

Na terça, o Itamaraty informou que acompanhava a denúncia do sequestro, mantendo contato com a família e buscando apurar as circunstâncias do ocorrido junto a autoridades locais.

Equador vive mais um momento de crise grave de segurança. Após a fuga da prisão do líder de uma das maiores facções criminosas do país, o presidente Daniel Noboa decretou estado de exceção nesta segunda (8).

A ordem foi, contudo, seguida de uma onda de terror ao longo do dia seguinte, com sequestros de policiais, explosões e a invasão de uma emissora de TV. Ao menos 13 pessoas morreram em decorrência de ataques criminosos.

Na própria terça, Noboa publicou novo decreto em que reconhece estado de “conflito armado interno” no país e classifica mais de 20 facções criminosas de terroristas. A medida ainda dá às Forças Armadas liberdade para usar instrumentos e métodos militares para lidar com a crise de segurança.

- Publicidade -

Fique por dentro!

Para ficar sabendo de tudo que acontece em Campos e região, siga o nosso instagram @ClickCampos

ÚLTIMAS NOTÍCIAS