Netanyahu diz que África do Sul ‘representa monstros’ e rebate acusação de genocídio

PUBLICADO EM

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O premiê de Israel, Binyamin Netanyahu, disse nesta quinta-feira (11) que a África do Sul “representa monstros” ao acusar Tel Aviv, em audiência na Corte Internacional de Justiça (CIJ), de agir com “intenção genocida” na Faixa de Gaza.

- Publicidade -

“Uma organização terrorista comete o pior crime contra o povo judeu desde o Holocausto e agora aparece alguém para defendê-la em nome do Holocausto”, disse ele, mencionado pelo jornal The Times of Israel.

“A hipocrisia clama aos céus. […] Onde vocês estavam, África do Sul, quando milhões de pessoas foram mortas ou deslocadas de suas casas na Síria e no Iêmen? E por quem? Pelos parceiros do Hamas.”

Netanyahu descreveu a denúncia feita por Pretória, com o apoio do Brasil, de “atrevimento”. O texto, segundo ele, mostra que o mundo está “virado de cabeça para baixo”. Ele afirmou vai continuar rebatendo o que chamou de mentiras enquanto luta contra terroristas até a “vitória total”.

Antes, às vésperas de a África do Sul apresentar a denúncia ao órgão internacional, Netanyahu reiterou que Israel “não tem intenção de ocupar permanentemente Gaza ou de deslocar a população civil”

Pretória apelou à CIJ, também conhecida como Corte de Haia, para pressionar Tel Aviv a suspender a ofensiva contra Gaza. Quase cem dias após a eclosão da guerra, mais de 23 mil pessoas, a maioria civis, foram mortas no território palestino. As ofensivas são respostas aos atentados realizados pelo Hamas em 7 de outubro que mataram cerca de 1.200 pessoas e fizeram reféns em Israel.

CRITÉRIO ESTABELECIDOS NA CONVENÇÃO INTERNACIONAL CONTRA O GENOCÍDIO PARA DEFINIR O CRIME

Matar membros de um determinado grupo nacional, étnico, racial ou religioso;
Causar danos físicos ou mentais graves;
Infligir condições de vida que destruam a capacidade de sobrevivência;
Impedir a proliferação de um determinado grupo;
Transferir crianças de um grupo para outro local de forma forçada;

A África do Sul solicitou na audiência desta quinta a suspensão imediata das operações israelenses contra Gaza, o fim do “assassinato” e deslocamento da população palestina, além da normalização da entrada de alimentos, água e medicamentos à faixa. Também pediu que Israel tome “todas as medidas razoáveis ao seu alcance” para prevenir um genocídio no território.

A denúncia do país africano foi apresentada ao tribunal no último dia 29. O documento acusa o Estado judeu de descumprir a Convenção Internacional contra o Genocídio, segundo o qual o termo pode ser definido a partir de cinco diferentes práticas: matar membros de um determinado grupo nacional, étnico, racial ou religioso; causar danos físicos ou mentais graves a eles; infligir a essas pessoas condições de vida que destruam sua capacidade de sobrevivência; impedir sua proliferação; transferir crianças desse grupo para outro local de forma forçada.

O governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) anunciou nesta quarta apoio à denúncia da África do Sul. O posicionamento foi divulgado horas depois de o presidente ter se reunido com o embaixador palestino no Brasil, Ibrahim Alzeben.

- Publicidade -

Fique por dentro!

Para ficar sabendo de tudo que acontece em Campos e região, siga o nosso instagram @ClickCampos

ÚLTIMAS NOTÍCIAS