Falta de luz atormenta paulistanos

PUBLICADO EM

(FOLHAPRESS) – A falta de energia elétrica provocada por fortes chuvas na cidade de São Paulo desde o início desta semana causa problemas a moradores e comerciantes. Os transtornos envolvem comidas estragadas e longas viagens para tomar banho quente na casa de amigos ou familiares.

- Publicidade -

Leia a seguir alguns relatos.
*
‘Meu apartamento parece um filme de terror’

Um estrondo mudou o cenário da rua Cardoso de Almeida, em Perdizes, zona oeste da capital, por volta das 20h de quarta-feira (10). Era uma árvore caindo sobre um emaranhado de fios. A queda afetou postes e deixou dois quarteirões no escuro. Em um deles, está o condomínio Villagio Di Firenze.

Do alto do seu terceiro andar, o aposentado José Vasquez, 74, acompanhava o trabalho dos agentes da Enel desde as primeiras horas da manhã desta quinta-feira (11).

Impaciente, ele já havia ligado para a companhia dezenas de vezes. Segundo ele, foi atendido somente nas primeiras. Estava, acima de tudo, preocupado com sua segurança por ter baixa visão. “Meu apartamento parece um filme de terror de tão escuro, assombrado. Posso tropeçar e cair a qualquer momento”, relata.

Outros moradores do endereço reclamavam em meio aos reparos. Solange Ferreira, 33, dizia ter jogado fora todos os produtos de sua geladeira. Marcos Freitas, 25, esbravejava sobre os banhos gelados tomados.

‘ESTÃO TRABALHANDO HÁ HORAS E NÃO RESOLVEM’

Ainda na Cardoso de Almeida, comércios sentiam as consequências do apagão. Grande parte dos estabelecimentos optou por fechar as portas até reestabelecimento da energia, mas alguns resistiam. Era o caso do restaurante Arabesco, cujo cardápio foi adaptado à situação.

Carlos Alberto Isaac, 60, seu proprietário, caminhava por toda a rua e conclamava todas ali a pressionarem a Enel pela resolução do problema. “É complicado. Eles estão trabalhando há horas e não resolvem. Parece que morar nessa cidade é passar raiva”, diz.

Outros estabelecimentos abertos eram um salão de cabeleireiro e uma ótica. Neste, a gerência mandou as funcionárias para a casa mais cedo. Naquele, elas tiveram que ficar até o fim do expediente, às 19h, sem sistema ou ar-condicionado. Os termômetros marcaram temperaturas acima de 30°C até o início da noite nesta quinta.

Simone Ângela, 42, uma das atendentes da loja de óculos, lamentou a situação, mas outra coisa a preocupava mais diante da expectativa de novo temporal: sua volta para casa. “Moro longe, é complicado. Eu fico bastante receosa”, declara ela.

Apreensiva também estava a equipe de uma farmácia ao lado. Lá, alguns produtos e medicamentos necessitavam de refrigeração. Com o passar das horas, a validade deles expirava.

Por volta das 17h, havia luz reestabelecida em toda aquela região.

‘NUNCA ACHEI QUE FOSSE VIVER COISA DO TIPO’

O servidor público Rafael Cavalcanti, 33, ficou sem luz por mais de 48 horas. A agrura começou na tarde de segunda (8) e acabou somente no amanhecer desta quinta. Ele, morador da rua Tuim, em Moema, na zona sul, afirma nunca ter passado por um episódio como esse nem imaginava ser possível ficar tanto tempo na escuridão. Tanto que foi pego de surpresa.

Seu apartamento possui filtro elétrico, que parou. Rafael se lembrou de comprar água somente quando estava com sede em meio ao apagão.

Apesar de o hall do edifício ter gerador, a energia não chegava aos apartamentos. Sem luz, ele foi impedido de trabalhar e perdeu comidas da geladeira. Sempre com medo de ficar sem bateria, dependia da câmera do celular para encontrar objetos.

O apagão da rua de Rafael aconteceu em decorrência da queda de uma árvore sobre fios elétricos -somente na segunda, a Defesa Civil paulista afirma ter recebido 290 chamados por queda de árvores, e a região sul da capital foi a mais afetada.

O QUE DIZEM A ENEM E A PREFEITURA

Responsável pelo abastecimento na capital e na região metropolitana, a Enel informou às 17h desta quinta ter restabelecido o serviço para mais de 93% dos clientes afetados pelos temporais da véspera. O Procon-SP pediu esclarecimentos à concessionária sobre as falhas no serviço -até a tarde desta quinta, mais de 500 reclamações por motivos diversos contra a Enel haviam sido registradas no órgão de defesa do consumidor no mês de janeiro.

Em nota, a companhia afirma que trabalha com mobilização total das equipes durante o período de chuva. “Vale ressaltar que, durante essa semana, os fortes ventos associados a quedas de árvores e galhos destruíram alguns trechos da rede elétrica. O trabalho de reconstrução em cada uma dessas ocorrências é complexo, envolve a substituição de cabos e postes, entre outros equipamentos”, afirma.

Já a Prefeitura de São Paulo declara que desde o dia 1º de novembro foram podadas 22.192 árvores e removidas outras 2.188 em toda a cidade. Segundo a gestão Ricardo Nunes (MDB), cabe à Enel, porém, retirar troncos e galhos sobre fios e postes.

Leia Também: Nunes chama presidente da Enel de ‘mentiroso’ e diz que vai à Justiça por falta de luz em SP

Os transtornos envolvem comidas estragadas e longas viagens para tomar banho quente na casa de amigo… 

- Publicidade -

Fique por dentro!

Para ficar sabendo de tudo que acontece em Campos e região, siga o nosso instagram @ClickCampos

ÚLTIMAS NOTÍCIAS