Israel alerta que tempo esgota-se para solução diplomática no sul do Líbano

PUBLICADO EM

Israel alertou hoje que o tempo está se esgotando para encontrar uma solução diplomática no sul do Líbano, palco de tiroteios diários há meses entre Israel e o movimento pró-iraniano Hezbollah.

- Publicidade -

“Israel tomará medidas militares para trazer de volta os cidadãos retirados de suas casas” no norte do país, se não for possível outra solução, afirmou o chefe de diplomacia israelita, Israel Katz, em encontro com o homólogo francês, Stéphane Séjourné, que está em visita a Israel como parte de uma digressão pelo Oriente Médio.

Num comunicado, o Ministério dos Negócios Estrangeiros israelita reuniu-se com Séjourné para analisar a necessidade de encontrar uma “solução diplomática” para a tensão na fronteira com o Líbano, bem como o futuro da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina no Oriente Médio (UNRWA).

Sobre a situação na fronteira entre Israel e o Líbano, que registra a maior troca de tiros desde 2006, Katz sublinhou que, se não for encontrada uma solução diplomática para a retirada do Hezbollah do sul do Líbano, junto à fronteira desmilitarizada, “Israel atuará militarmente para fazer regressar os cidadãos retirados às suas casas”.

“O ministro Katz agradeceu a Séjourné a decisão de rever o futuro do financiamento da UNRWA, à luz das revelações sobre o envolvimento dos seus funcionários no massacre de 07 de outubro”, lê-se no comunicado.

Depois de a UNRWA ter despedido 13 funcionários e iniciado uma investigação sobre as alegadas ligações ao Hamas e ao envolvimento nos ataques de 07 de outubro, 16 países anunciaram que iam cortar o financiamento à agência, incluindo os Estados Unidos, Reino Unido, Austrália, Alemanha e Japão, o que resultou na perda de mais de metade do seu financiamento.

A França anunciou o congelamento do financiamento da UNRWA durante seis meses, enquanto se aguarda a confirmação das acusações contra a agência, que Israel acusa de “ser o Hamas”.

Katz e Séjourné começaram a trabalhar no sentido de encontrar alternativas para substituir a UNRWA na prestação de ajuda humanitária na Faixa de Gaza quando a guerra terminar, refere o comunicado.

O ministro israelita agradeceu igualmente aos franceses o papel desempenhado no envio de medicamentos para a Faixa de Gaza, há duas semanas, no âmbito de um acordo com o Hamas, mediado pelo Qatar e pela França, alguns dos quais se destinavam a chegar aos restantes reféns no interior da Faixa de Gaza.

O chefe da diplomacia francesa deverá ainda encontrar-se com o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, e com o presidente palestiniano, Mahmoud Abbas, em Ramallah, durante a tarde, e visitar familiares dos reféns em Telavive, antes de concluir a visita.

Séjourné encontra-se em Israel para uma semana de visitas diplomáticas muito preenchida, uma vez que o país aguarda também a chegada do Presidente argentino, Javier Milei, na sua primeira viagem oficial ao estrangeiro desde que assumiu o cargo, e do secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, que aterrará no final da semana em curso como última paragem de uma viagem regional ao Oriente Médio para promover uma trégua na Faixa de Gaza.

 

- Publicidade -

Fique por dentro!

Para ficar sabendo de tudo que acontece em Campos e região, siga o nosso instagram @ClickCampos

ÚLTIMAS NOTÍCIAS