Hamas propõe cessar-fogo dividido por 3 fases, ao longo de 135 dias

PUBLICADO EM

O grupo islâmico Hamas apresentou um abrangente plano de cessar-fogo composto por três fases, cada uma estendendo-se ao longo de 45 dias, em resposta a uma proposta dos mediadores do Catar e do Egito, conforme anunciado nesta quarta-feira. Na primeira fase, destacam-se iniciativas como a libertação de todas as mulheres, homens com menos de 19 anos, idosos e doentes que ainda estão sob custódia do Hamas. Como contrapartida, mulheres e crianças detidas em prisões israelenses seriam libertadas, totalizando um período de 135 dias, conforme divulgado pela agência Reuters.

- Publicidade -

A segunda fase contemplaria a libertação dos demais reféns do sexo masculino, enquanto a terceira etapa visa a devolução dos corpos das vítimas mortais aos seus respectivos estados. Ao final dessa última fase, o objetivo seria alcançar um acordo que sinalize o término do conflito. Vale ressaltar que, até o momento, os detalhes específicos dessa proposta do Hamas não foram divulgados.

Esta contraproposta também englobaria o início do processo de reconstrução de Gaza, a retirada total das Forças de Defesa de Israel (IDF) e um aumento significativo no fluxo de alimentos e ajuda humanitária destinados à população palestina. Tais desenvolvimentos ocorrem em um momento em que o secretário de Estado dos Estados Unidos, Antony Blinken, lidera uma viagem ao Oriente Médio com o intuito de assegurar uma trégua na guerra que atinge seu quinto mês nesta quarta-feira.

Ao lado de Blinken em Doha, o primeiro-ministro do Qatar, Mohammed bin Abdelrahmane Al-Thani, expressou otimismo. Ele declarou ter recebido uma resposta do Hamas sobre a estrutura geral do acordo de reféns, observando que, apesar de conter alguns comentários, é positiva no geral.

Essas negociações ocorrem após o ataque surpresa do Hamas contra o território israelense, intitulado ‘Tempestade al-Aqsa’, que resultou em retaliações de Israel, denominadas ‘Espadas de Ferro’, com bombardeios aéreos contra instalações do grupo armado na Faixa de Gaza. Benjamin Netanyahu afirmou que Israel está “em guerra” com o Hamas, considerado terrorista por Israel, Estados Unidos e União Europeia (UE), culminando na formação de um governo de emergência nacional e de um gabinete de guerra, acordados com a oposição.

Leia Também: Homem fica paralisado e morre após bombeiros o deixarem cair

- Publicidade -

Fique por dentro!

Para ficar sabendo de tudo que acontece em Campos e região, siga o nosso instagram @ClickCampos

ÚLTIMAS NOTÍCIAS