No carnaval do Rio, Viradouro e Mangueira se destacam na 2ª noite de desfiles na Sapucaí

PUBLICADO EM

- Publicidade -

Na segunda noite de desfiles das escolas de samba do Rio, Unidos do Viradouro e Mangueira se destacaram no Sambódromo da Marquês de Sapucaí e se credenciaram na disputa pelo título. A competição tem também a Imperatriz Leopoldinense, principal destaque da primeira noite, e outras que empolgaram menos, mas também concorrem, como Grande Rio e Beija-Flor, no domingo, 11, e Mocidade Independente e Vila Isabel, na segunda-feira, 12.

- Publicidade -

A apuração será na tarde de Quarta-Feira de Cinzas, 14, na Praça da Apoteose, como chama a parte final do sambódromo.

As seis escolas melhor colocadas voltam a se exibir no desfile das Campeãs, na noite do próximo sábado, 17.

Mocidade Independente de Padre Miguel

A Mocidade Independente de Padre Miguel foi a primeira escola a desfilar na segunda noite de exibições no sambódromo, a partir das 22 horas de segunda-feira. A agremiação da zona oeste do Rio discorreu sobre o caju e usou o trunfo de ter o samba mais famoso desta temporada pra fazer o desfile mais animado até então, contando a ligação do fruta com a história do Brasil e outras curiosidades.

Se sobrou animação, o luxo de fantasias e alegorias não foi comparável ao apresentado na noite anterior pela Grande Rio e pela Imperatriz, por exemplo.

Por coincidência, o desfile ocorreu no dia do aniversário de Castor de Andrade (1926-1997), famoso contraventor que foi patrono da escola e que, se estivesse vivo, completaria 98 anos.

Atualmente o presidente de honra da escola é um sobrinho de Castor, Rogério de Andrade. Por ordem judicial, ele usa tornozeleira eletrônica e está proibido de sair de casa à noite: por isso não foi ao sambódromo.

A mulher de Rogério, Fabíola Andrade, é a rainha da bateria da Mocidade. Antes do desfile, ela distribuiu kits de calcinhas e sutiãs para a plateia do setor 1 do sambódromo.

Portela

A segunda agremiação a desfilar foi a Portela, que apresentou um enredo sobre o racismo. O samba não empolgou tanto como o da Mocidade, mas as alegorias eram mais luxuosas.

A exibição da escola uniu técnica e emoção, mas houve problemas com o primeiro carro alegórico, que quebrou ainda na concentração e teve de ser consertado às pressas.

Desfilaram pela escola, entre outras personalidades, o ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Silvio Almeida, e Marinete Silva, mãe de Marielle Franco, vereadora do Rio de Janeiro assassinada em março de 2018.

Unidos de Vila Isabel

A terceira agremiação a desfilar foi a Unidos de Vila Isabel, que reeditou o enredo de 1993, “Gbala – Viagem ao Templo da Criação”, baseada num conto religioso sobre a recriação do mundo pelas crianças.

O samba é de autoria de Martinho da Vila, que completou 86 anos exatamente na segunda-feira e ganhou “Parabéns a Você” executado pela bateria, antes do início do desfile.

O cantor e compositor, presidente de honra da Vila Isabel, desfilou representando Oxalá, no 6º e último carro alegórico.

A escola fez um desfile técnico e correto, com carros alegóricos bonitos e fantasias fáceis de interpretar, mas faltaram as surpresas com que o carnavalesco Paulo Barros costuma brindar o público.

Barros passou mal após o desfile, na dispersão, mas recebeu atendimento médico e se recuperou.

Outro que passou mal, mas ainda na concentração, foi o intérprete Tinga, que se recuperou e conseguiu cantar normalmente ao longo do desfile.

Mangueira

A Mangueira foi a quarta escola a se apresentar, homenageando a cantora Alcione, ilustre integrante da Verde e a Rosa e uma das fundadoras da Mangueira do Amanhã, versão mirim da agremiação.

Ela desfilou no último carro alegórico, mas antes de se dirigir a ele, durante o “esquenta” na concentração, cantou à capela um trecho do samba-enredo.

Não faltaram amigos famosos da cantora, como a também cantora Maria Bethânia, que desfilou sobre um tripé.

O samba, que não era apontado como dos melhores do ano, funcionou muito e animou o desfile.

Com fantasias e alegorias bem feitas e coloridas, a escola fez ótimo desfile, mas uma escultura que representava a própria Alcione no último carro alegórico quebrou, o que deve tirar décimos da escola no quesito “alegorias e adereços”.

Já na dispersão houve mais um problema com esse mesmo carro alegórico: enquanto era retirada pelo guindaste, uma mulher caiu do carro.

Segundo integrantes da escola, ela foi socorrida e sofreu apenas escoriações.

Paraíso do Tuiuti

A quinta escola a desfilar foi a Paraíso do Tuiuti, que retratou a Revolta da Chibata e homenageou o marinheiro João Cândido.

Embora o tema tenha sido muito bem apresentado, foi um desfile morno, e a escola deve ficar fora do desfile das campeãs.

Viradouro

A Viradouro encerrou a segunda noite de desfiles das escolas de samba do Rio com o enredo “Arroboboi, Dangbé”, sobre o vodun Dangbé, culto do candomblé Jeje representado pela serpente. A serpente surgia já na comissão de frente, muito aplaudida.

Atual vice-campeã, a escola fez um desfile de muito luxo e brilho e de fácil compreensão e vai disputar o título novamente.

O samba não chegou a empolgar a plateia, mas os integrantes da escola cantaram a plenos pulmões.

A exibição terminou às 5h55 desta terça-feira, aos gritos de “é campeã”.

Leia Também: ‘Vitória da autoestima’, diz Jojo Todynho sobre ser musa da Mocidade no Carnaval 2024

A competição tem também a Imperatriz Leopoldinense, principal destaque da primeira noite, e outras q… 

- Publicidade -

Fique por dentro!

Para ficar sabendo de tudo que acontece em Campos e região, siga o nosso instagram @ClickCampos

ÚLTIMAS NOTÍCIAS