Exército israelens nega ter atacado comboio humanitário a 29 de fevereiro

- Publicidade -

O Exército israelense rejeita ter atacado o comboio humanitário em Gaza no dia 29 de fevereiro e justificou que os “soldados dispararam, precisamente contra suspeitos”.

De acordo com o Hamas, o ataque israelense no norte do enclave fez 115 mortos civis que recebiam bens essenciais.

 “O exame efetuado pelo comando revelou que as tropas [israelenses) não dispararam contra o comboio humanitário, mas que dispararam contra um certo número de suspeitos que se aproximaram [dos soldados] e representavam uma ameaça”, declarou o Exército em comunicado.

Após o ataque, as autoridades de Gaza denunciaram um massacre cometido pelo Exército de Israel, acusando os militares de atacar civis que se encontravam concentrados junto a uma coluna humanitária.

A Autoridade Palestina também se referiu a um “atroz massacre” sublinhando que a ação é resultado “da guerra genocida por parte do Governo de ocupação”.

Na altura, o Exército de Israel disse que as mortes foram causadas por uma “fuga desordenada” e limitou a 10 as pessoas mortas pelos militares.

O ataque de 29 de fevereiro no norte de Gaza foi condenado internacionalmente.

Leia Também: Lula pedir desculpas a Israel é exagero, mas poderia admitir que se expressou mal, diz Temer

Fique por dentro!

Para ficar sabendo de tudo que acontece em Campos e região, siga o nosso instagram @ClickCampos

ÚLTIMAS NOTÍCIAS