Última década foi a mais quente da história, diz ONU

- Publicidade -

LISBOA, PORTUGAL (FOLHAPRESS) – Novo relatório da OMM (Organização Meteorológica Mundial) confirmou que a última década foi a mais quente da história. Pelos cálculos da entidade, que é vinculada à ONU (Organização das Nações Unidas), os últimos nove anos (2015-2023) foram os mais tórridos já registrados.

De acordo com o documento, apresentado nesta terça-feira (19), o recorde absoluto de temperatura é agora de 2023, que superou “com folga” seus antecessores. O ano registrou novas máximas globais em vários quesitos, incluindo temperatura dos oceanos, degelo da Antártida e aumento do nível do mar.

Na avaliação da OMM, o ano passado foi cerca de 1,45°C mais quente do que média registrada entre 1850 e 1900. Em janeiro, o observatório Copernicus, da Agência Espacial Europeia, já havia classificado 2023 como o recordista absoluto de calor, com valores 1,48°C acima dos níveis de pré-industriais.

A secretária-geral da entidade, Celeste Saulo, destacou que a humanidade nunca esteve tão próxima de ultrapassar, ainda que de forma temporária, a meta estabelecida no Acordo de Paris de limitar o aumento global de temperaturas preferencialmente a 1,5°C.

“A comunidade da Organização Meteorológica Mundial está soando o alerta vermelho para o mundo”, afirmou.

“As alterações climáticas envolvem muito mais do que temperaturas. O que nós testemunhamos em 2023, especialmente com o calor sem precedentes nos oceanos, o recuo dos glaciares e a perda de gelo marinho na Antártida, é motivo de particular preocupação”, completou.

O relatório traz uma compilação de dados considerados alarmantes pelos cientistas. “Em um dia normal em 2023”, quase um terço dos oceanos globais foi assolado por uma onda de calor marinha, o que traz danos para ecossistemas vitais. O ano se encerrou com mais de 90% do oceano tendo registrado esse fenômeno.

O documento da OMM destacou também a ocorrência de uma série de outros eventos climáticos extremos em 2023, incluindo inundações, secas, incêndios florestais e ciclones tropicais.

O número de pessoas em situação de insegurança alimentar grave no mundo disparou, passando de 149 milhões, antes da pandemia, para 333 milhões em 2023. O relatório reconhece que as alterações climáticas não são as únicas responsáveis pela crise alimentar, mas indica que os extremos meteorológicos e climáticos agravaram a situação.

Em uma mensagem exibida durante o lançamento, o secretário-geral da ONU, António Guterres, reforçou o senso de urgência do combate às mudanças climáticas. “Sirenes estão soando em todos os principais indicadores”, afirmou.

Ainda que a concentração de gases-estufa emitidos pela humanidade seja a principal razão para o aumento das temperaturas, a presença do fenômeno climático El Niño, a partir de meados do ano, contribuiu para pressionar ainda mais os termômetros em 2023.

Na avaliação do chefe de monitoramento climático da OMM, Omar Baddour, é possível que 2024 também seja de extremos, uma vez que, normalmente, o ano seguinte a um El Niño tende a ser mais quente.

“Se a margem de 2023 fosse menor do que aquilo que nós vimos, eu diria com certeza que 2024 quebraria o recorde de calor”, afirmou. Segundo Baddour, ainda “não podemos dizer com certeza que 2024 será o ano mais quente”, mas há uma grande probabilidade de que haja ao menos um empate com 2023.

O cientista destacou ainda que o último janeiro teve as temperaturas médias mais elevadas já registradas para o mês. “Portanto, os recordes ainda estão sendo quebrados.”

Líder da organização Meteorológica Mundial, Celeste Saulo disse acompanhar com atenção a onda de calor atual no Rio de Janeiro, onde a sensação térmica atingiu 62,3°C no domingo (17), um recorde de acordo com o sistema Alerta Rio.

“Eu estou muito preocupada com o que ouvimos sobre o Rio de Janeiro”, declarou, ressaltando, contudo, que os valores registrados na capital fluminense ainda não foram confirmados.

“Ainda precisamos usar nosso controle de qualidade para ter certeza [dos dados] e confirmar os valores, mas eu considero que a mensagem já clara: estamos com temperaturas muito acima daquelas que costumávamos ter. Nossas populações não estão preparadas para lidar com isso, assim como nossas infraestruturas e nossas casas”, completou.

Apesar do cenário negativo apresentado, os especialistas da Organização Meteorológica Mundial ressaltaram que a expansão da geração de energia renovável trouxe um “vislumbre de esperança” para as metas de descarbonização.

Puxada sobretudo pelo aumento da energia solar, eólica e hidráulica, a capacidade de geração de energia renovável aumento quase 50% em relação a 2022.

A entidade destacou a necessidade de ampliar o financiamento para a adaptação e a mitigação dos efeitos das mudanças climáticas. “O custo da ação climática pode parecer elevado, mas custo da inação climática é muito mais elevado”, disse Saulo.

Fique por dentro!

Para ficar sabendo de tudo que acontece em Campos e região, siga o nosso instagram @ClickCampos

ÚLTIMAS NOTÍCIAS