Família autoriza estudo de bebê calcificado por mais de 50 anos no ventre

- Publicidade -

A família de Daniela Almeida Vera, a indígena de 81 anos que viveu com um “bebê de pedra” no abdômen por mais de 50 anos, autorizou o Hospital Regional de Ponta Porã (HR) a realizar um estudo sobre o caso.

Segundo Rosely Almeida, filha de Daniela, um médico se interessou em iniciar a pesquisa, mas ainda não há detalhes sobre como ela será realizada.

Daniela era portadora de uma condição rara chamada litopedia, que ocorre quando um feto não se desenvolve completamente e se calcifica dentro do útero. A equipe médica acredita que ela tenha convivido com o bebê calcificado por 56 anos, desde sua última gestação.

Rosely, porém, acredita que o tempo possa ter sido ainda maior, pois Daniela relatava dores abdominais desde sua primeira gestação, na adolescência.

A idosa faleceu no dia 11 de março após uma cirurgia para remover o bebê calcificado. Ela havia procurado atendimento médico por conta de uma infecção urinária, que evoluiu para um quadro grave de infecção generalizada.

Recomeço

A família de Daniela, que era composta por sete filhos e 40 netos, agora busca se recompor após a perda. Rosely, a filha mais nova, que foi adotada por Daniela, afirmou ao G1 que a família está “muito abalada”.

Leia Também: Bebê morre enforcada na corda da chupeta enquanto mãe trabalhava

 

Fique por dentro!

Para ficar sabendo de tudo que acontece em Campos e região, siga o nosso instagram @ClickCampos

ÚLTIMAS NOTÍCIAS