Kremlin anuncia detenção de 11 pessoas ligadas a atentado em Moscou

- Publicidade -

Foram detidas 11 pessoas suspeitas de terem estado envolvidas no atentado a uma sala de concertos nos arredores de Moscou, na Rússia, incluindo quatro suspeitos de serem os autores do ataque, informou o Kremlin. 

“O diretor do FSB, Bortnikov, informou Vladimir Putin sobre a detenção de 11 pessoas, todos os quatro terroristas que estiveram diretamente envolvidos no ataque terrorista”, disse a assessoria de imprensa presidencial, segundo cita a agência estatal russa RIA Novosti.

Poucos minutos antes, o parlamentar Alexander Khinshtein tinha dito, no Telegram, que dois suspeitos tinham sido detidos, após uma perseguição de carro, na região de Bryansk, enquanto outros suspeitos tinham fugido a pé para uma floresta nas proximidades. 

Lembrando que após o ataque armado, que fez pelo menos 60 mortos e mais de uma centena de feridos, seguiu-se um enorme incêndio na sala, que está localizada em Krasnogorsk.

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, desejou a “rápida recuperação” das vítimas e “agradeceu aos médicos”, segundo disse a vice-primeira-ministra russa, Tatyana Golikova.

O ataque foi reivindicado pelo Estado Islâmico (EI) já depois de a Ucrânia ter negado qualquer responsabilidade e os serviços secretos de Kyiv terem acusado o Kremlin de orquestrar o ataque, para culpar a Ucrânia e justificar “uma escalada” da guerra, conforme noticiou a agência France-Presse (AFP).

As forças de ordem russas afirmaram estar à procura dos agressores e as autoridades advertiram que o número de mortos “pode aumentar”.

O EI, que já atacou a Rússia em várias ocasiões, afirmou na plataforma de mensagens Telegram que os combatentes do grupo “atacaram uma grande concentração (…) nos arredores da capital russa”.

A organização fundamentalista afirmou que o grupo de comandos tinha depois “regressado em segurança à base”.

O atentado, que os meios de comunicação social russos começaram a noticiar por volta das 20h15 de Moscou, foi realizado por vários indivíduos armados. 

Jornalistas da agência de notícias viram o edifício mergulhado em chamas, nuvens de fumaça negra saindo do telhado e uma enorme presença policial e dos serviços de emergência.

De acordo com a televisão russa, o telhado do edifício colapsou parcialmente. 

“Pouco antes de começar, ouvimos de repente várias rajadas de metralhadora e um grito terrível de mulher. Depois, muitos gritos”, disse à AFP Alexei, um produtor musical que estava no camarim no momento do ataque.

De acordo com um jornalista da agência de notícias estatal Ria Novosti, pessoas camufladas invadiram a sala de espetáculos antes de abrirem fogo e lançarem “uma granada ou uma bomba incendiária”.

Os serviços de emergência afirmaram que as chamas se espalharam pelos quase 13 mil metros quadrados do edifício, antes de o fogo ser contido.

O presidente da Câmara de Moscou, Sergei Sobyanin, anunciou o cancelamento de todos os eventos públicos deste fim de semana. Os principais museus e teatros da capital também anunciaram que vão fechar as portas.

Segundo a televisão russa, foram tomadas medidas de segurança reforçadas, principalmente nos aeroportos de Moscou e em outras grandes cidades do país.

Leia Também: Estado Islâmico assume atentado que matou 93 em Moscou

Fique por dentro!

Para ficar sabendo de tudo que acontece em Campos e região, siga o nosso instagram @ClickCampos

ÚLTIMAS NOTÍCIAS