Ucrânia faz mega-ataque na Crimeia; míssil russo coloca Polônia em alerta

- Publicidade -

IGOR GIELOW
SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Em uma noite de grande atividade militar na Guerra da Ucrânia, Kiev promoveu um mega-ataque com mísseis contra a Crimeia e disse ter afundado dois navios russos neste domingo (24) em Sebastopol, a sede da abalada Frota do Mar Negro de Vladimir Putin.

Já Moscou lançou pela terceira noite seguida um grande bombardeio aéreo, desta vez colocando a Polônia em alerta quando um de seus mísseis violou o espaço aéreo do país.

A rápida escalada ocorre uma semana após Putin se reeleger pela quinta vez na Rússia e prometer vingança pelos ataques dos ucranianos à região de Belgorodo, no sul do país que invadiu o vizinho em 2022.

Além disso, Kiev passou a lançar drones contra refinarias, o que gerou protestos relatados por seus aliados ocidentais, temendo exatamente o recrudescimento da guerra e impactos no preço do barril de petróleo. Ainda assim, uma usina foi atingida sem muito impacto no sábado em Samara (centro russo).

Coroando o processo, houve o ataque terrorista que matou ao menos 137 pessoas em uma casa de shows de Moscou na sexta (22), que foi assumido pelo grupo Estado Islâmico, mas que o presidente russo tratou de ligar à Ucrânia ao dizer que os agressores tadjiques presos seriam recebidos na fronteira do país vizinho.

O presidente ucraniano, Volodimir Zelenski, rejeito a acusação e disse que o rival está querendo disfarçar o fracasso em proteger a população de sua capital. Neste domingo, dia oficial de luto pela tragédia, cerimônias ocorrem em toda a Rússia.

Já na noite de sábado (23) era possível inferir a magnitude do ataque ucraniano à Crimeia, península que Putin anexou em 2014 após o governo pró-Rússia no vizinho ser derrubado, em um dos primeiros movimentos que levaram à guerra atual.

Imagens gravadas por moradores mostravam grandes explosões, e o governo local afirmou ter abatido ao menos dez mísseis sobre Sebastopol, o porto que é a principal cidade da península e um ente autônomo da Federação Russa, sendo base da frota russa desde 1783 -quando ficou na Ucrânia independente da União Soviética em 1991, um acordo permitiu que Moscou alugasse as instalações militares.

Mas foi nesta manhã de domingo que o estrago ficou evidente. Segundo as Forças Armadas da Ucrânia, dois grandes navios de transporte, o Azov e o Iamal, foram afundados. Ambos são da classe Ropucha, com 112 metros e grande valor tático -um outro havia sido destruído em fevereiro.

A Rússia não comentou o episódio, mas blogueiros militares do país confirmam que as embarcações no mínimo foram danificadas. Nas contas de Kiev, sobraram apenas 3 dos 13 modelos que os russos operavam no mar Negro -o Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (Londres) contava 8 em ação no começo do ano.

Foram usados no ataque mísseis de cruzeiro britânicos Storm Shadow, que há muito não viam ação na guerra. Eles foram empregados também no ataque ao centro de comunicação da frota e uma pista de pouso, segundo a imprensa local matando cerca de 30 soldados e atingindo três caças Su-27.

A vulnerabilidade da frota russa é um problema desde o início da guerra para Moscou, que perdeu logo em abril de 2022 sua nau-capitânia na região, o cruzador Moskva. Como tiveram sua Marinha destruída, os ucranianos trabalham com mísseis e drone aquáticos de difícil detecção.

Para Kiev, tais ataques buscam mostrar sua capacidade de luta em um momento em que a Ucrânia está em maus lençóis em solo. As forças russas tomaram mais uma cidade no leste do país no sábado, avançando lentamente após consolidar sua posição em Avdiivka e Bakhmut, cidades estratégicas.

A falta crônica de munição e a indecisão ocidental sobre mais apoio a Zelenski gerou uma onda de pessimismo entre aliados que os ataques mais espetaculares como o da Crimeia ou Belgorodo buscam conter. Em solo, há risco real de que uma ofensiva de verão de Putin possa romper alguma porção das defesas ucranianas.

Na mão contrária da guerra, que agora é chamada pelo nome na Rússia, o Kremlin também trabalhou nesta noite. Foram lançados ao menos 57 mísseis e drones de 14 bombardeiros Tu-95MS, na terceira madrugada consecutiva de ataques maciços. O Ministério da Defesa da Rússia diz ter mirado a infraestrutura energética do país e alvos militares, e não houve relatos de vítimas.

Mas um dos mísseis colocou a Polônia, a belicista vizinha da Ucrânia que é integrante da Otan [aliança militar ocidental] em alerta. Às 4h23 (0h23 em Brasília), um modelo de cruzeiro violou o espaço aéreo polonês na região de Oserdow, no leste do país.

Ele voou por 39 segundos a 800 km/h, penetrando 2 km do território antes de voltar para seu rumo na Ucrânia, onde atingiu a área de Lviv. As defesas aéreas polonesas entraram em alerta, e o governo disse que irá demandar uma explicação de Moscou.

Não é a primeira vez que isso ocorre. Em novembro, houve um incidente semelhante e em dezembro, restos de um míssil russo não-detectado foram achados numa floresta do país. Em fevereiro a movimentação de bombardeiros russos fez Varsóvia colocar caças no ar.

O incidente mais sério, contudo, ocorreu em 2022 quando um míssil matou duas pessoas numa fazenda fronteiriça, elevando o temor do espraiamento do conflito. O projetil, contudo, era ucraniano.

Leia Também: Putin sugere participação da Ucrânia no atentado em Moscou

Fique por dentro!

Para ficar sabendo de tudo que acontece em Campos e região, siga o nosso instagram @ClickCampos

ÚLTIMAS NOTÍCIAS