Kremlin muda tom e diz que nenhum país está imune ao terror

- Publicidade -

IGOR GIELOW (FOLHAPRESS) – Após o presidente Vladimir Putin ter sugerido que a Ucrânia estava envolvida no ataque terrorista que matou 182 pessoas em Moscou na sexta (22), o Kremlin modulou o discurso nesta segunda (25) e disse que a investigação está em curso e não há certezas.

“Até aqui, nenhuma versão foi colocada à frente [das outras]”, disse o porta-voz Dmitri Peskov. “Infelizmente, nosso mundo mostra que nenhuma cidade ou país pode estar completamente imune à ameaça do terrorismo.”

Ele respondia a questões de repórteres acerca das falhas de segurança que levaram a capital russa a ser atacada novamente após 13 anos, em meio a uma guerra contra seu vizinho, e ao fato de que o grupo terrorista EI (Estado Islâmico) ter assumido o atentado contra a casa de shows Crocus City Hall.

Peskov se recusou a comentar, alegando que era tema para os investigadores. No sábado (24), 11 pessoas foram presas, inclusive os 4 suspeitos de serem os atiradores que dispararam contra 6.200 pessoas na plateia que esperava um show de rock. Há ainda 182 pessoas feridas.

O EI divulgou vídeos com detalhes da ação. Na mesma sexta, dia em que o Kremlin pela primeira vez usou oficialmente a palavra guerra para descrever a invasão da Ucrânia em 2022, o FSB (Serviço Federal de Segurança, na sigla russa) havia evitado um ataque do grupo contra uma sinagoga de Moscou.

Putin foi por outro caminho ao comentar o caso no sábado. Disse que os atiradores estavam a caminho da fronteira ucraniana, onde seriam recebidos. Ele não apresentou provas da acusação, mas redes sociais russas começaram a divulgar diversas suposições de laços entre Kiev e os terroristas.

Os EUA, que haviam alertado duas semanas antes acerca do risco de um atentado em Moscou, reafirmaram sua crença na culpa do EI e criticaram a Rússia. Nesta segunda, o presidente francês, Emmanuel Macron, que vive uma fase de atrito forte com Putin, disse que acusar Kiev era “cínico e contraproducente”.

Nesta segunda, a porta-voz da chancelaria russa, Maria Zakharova, questionou em entrevista ao jornal Komsolvoskaia Pravada a versão americana. Disse que Washington pode ter evocado o “bicho-papão” do EI para proteger os “protetores” dos terroristas na Ucrânia.

No domingo (24), os quatro acusados de executar a ação foram apresentados à Justiça para prisão de dois meses até o julgamento. Eles estavam bastante machucados, e vídeos da polícia vazados em redes sociais mostraram ele sendo agredidos -um deles teve um pedaço da orelha cortado e enfiado em sua boca.

Peskov se recusou a comentar a questão dos maus-tratos aos presos. “Eu deixo essa pergunta sem resposta. Preferiu elogiar o FSB, foco de críticas devido ao ataque, dizendo que os “serviços de segurança lutam para proteger a Rússia”.

BOMBARDEIOS CONTINUAM EM KIEV

Enquanto a crise do ataque terrorista se desenrola em Moscou, a Rússia voltou a atacar a Ucrânia com mísseis e drones pelo quinto dia seguido. A onda é uma retaliação pelos bombardeios e incursões de Kiev contra a região de Belgorodo na semana que antecedeu a reeleição de Putin, no domingo retrasado (17).

A intensidade foi menor. Apenas dois mísseis balísticos foram lançados contra a capital ucraniana, causando contudo bastante estrago. As Forças Armadas afirmam ter abatido as armas em sua etapa final de ataque, quando atingiam 7.500 km/h, e os destroços atingiram em cheio edifícios.

Ao menos cinco pessoas ficaram feridas, e o presidente Volodimir Zelenski voltou a pedir mais recursos de defesa aérea para o Ocidente, particularmente sistemas americanos Patriot, os mais eficazes já enviados a Kiev.

O fim de semana foi marcado por uma escalada na violência de lado a lado no conflito. A Ucrânia fez um ataque inédito em intensidade a Sebastopol, a cidade da Crimeia anexada que sedia a Frota do Mar Negro russa. Disse ter danificado dois navios importantes de transporte de tropas e equipamentos, além de aviões e um centro de comunicação.

Já a Rússia manteve os ataques múltiplos com mísseis de longo alcance, enquanto em solo tomaram mais uma pequena cidade no leste ucraniano, que corre o risco de uma ofensiva maior quando o verão do hemisfério norte permitir operações terrestres plenas, sem lama. Um dos mísseis violou o espaço aéreo da Polônia por alguns segundos, gerando alarme no belicoso vizinho da Ucrânia.

Leia Também: Vídeo mostra como se iniciou o atentado em Moscou

Fique por dentro!

Para ficar sabendo de tudo que acontece em Campos e região, siga o nosso instagram @ClickCampos

ÚLTIMAS NOTÍCIAS