Aluno de Medicina é preso no Pará suspeito de fazer Enem para candidatos e conseguir aprovação

- Publicidade -

Um estudante de Medicina da Universidade do Estado do Pará (UEPA), do campus de Marabá, foi preso de forma preventiva nesta sexta-feira, 29, sob a suspeita de fazer a prova do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no lugar de, pelo menos, outros dois candidatos. A fraude funcionou e os estudantes que não fizeram o vestibular acabaram sendo aprovados em Medicina na mesma UEPA.

A defesa do estudante afirma que vai pedir pela revogação da prisão por entender que a liberdade do estudante não prejudica as investigações.

De acordo com a PF, as assinaturas nos cartões de resposta e as redações não foram produzidas pelos estudantes inscritos no Enem. Quem fez a prova no lugar dos candidatos, segundo as investigações, foi André Rodrigues Ataíde, aluno de Medicina da UEPA, que teve um rendimento necessário para a aprovação dos vestibulandos.

A hipótese é que Ataíde tenha usado documentos falsos para driblar a fiscalização. A fraude foi praticada em 2022 e 2023, mas a Polícia Federal apura se o esquema não funcionou em outras edições do Enem e se outros candidatos também não foram aprovados no vestibular pela mesma estratégia criminosa. Os estudantes que ingressaram na UEPA com a ajuda de Ataíde, que não tiveram a identidade revelada, estão sendo investigados.

Em nota, a Universidade do Estado do Pará afirma que os três alunos foram suspensos para garantir a “transparência da apuração”, e diz que “realiza um processo disciplinar interno sobre o caso”.

André Ataíde teve prisão preventiva decretada por falsidade ideológica, uso de documento falso e estelionato, e a sua captura foi parte operação Passe Livre, deflagrada pela Polícia Federal em 16 de fevereiro deste ano. Na ocasião, a PF realizou três mandados de busca e apreensão, mas não efetuou prisões.

Os agentes chegaram a procurá-lo em casa, na cidade de Marabá, na última quarta-feira, 27, mas não o encontraram. O estudante de Medicina foi localizado nesta sexta na casa de outros familiares, em Belém, e teve a prisão efetuada.

Em nota, a defesa de André Ataíde afirma que vai pedir pela revogação da prisão por entender que a liberdade do estudante não prejudicará as investigações e nem se configura uma ameaça à garantia da ordem pública.

“André não estava foragido, e o motivo dele ser encontrado na casa de familiares, em Belém, se dava em razão do feriado da Semana Santa e de um tratamento médico que o estudante vem realizando na capital paraense”, disse o advogado Diego Adriano Freires, em nota enviada à reportagem.

“A defesa ainda analisará tudo e o todo que foi anexado aos autos, a partir do franqueamento e vista da íntegra da decisão que ensejou a prisão do estudante”, completou.

Leia Também: Equipes de resgate buscam avião que desapareceu após decolar de Jundiaí (SP)

 

Fique por dentro!

Para ficar sabendo de tudo que acontece em Campos e região, siga o nosso instagram @ClickCampos

ÚLTIMAS NOTÍCIAS